Seguidores

sábado, 31 de maio de 2008

LIVRO COM HISTÓRIAS DE ARREPIAR!




Acaba de sair da gráfica minha mais nova produção. É um livro de histórias para sentir medo! Para ficar arrepiado! De cabelo em pé! Eu, particularmente, adoro essas histórias. Quer conferir? Veja o que eu digo no texto de apresentação do livro:




Pra Começar …


Sempre gostei de histórias de terror. Histórias macabras, dessas que vão passo a passo ficando pesadas e fortes sem que a gente perceba; e que vão transformando o riso primeiro num sorriso de canto de boca, depois num esgar de medo! E ainda por cima, gelando os pés e as mãos. Mas ao invés de sair correndo, quero mais, muito mais contos assim!
Quando comecei a contar histórias oralmente – e lá se vão mais de 20 anos –, muito rápido descobri uma infinidade de histórias arrepiantes, que faziam a platéia delirar. Botar medo nos outros é muito bom... Hoje, depois de tanto tempo, tenho um grande repertório dessas narrativas, mas as que mais gosto são essas aqui, que reconto agora, neste livro.
A bruxa desencantada é baseada em Franklin Cascaes e está no livro “O fantástico na ilha de Santa Catarina , em que figuram histórias que ele recolheu da boca do povo. Aliás, a ilha da magia é repleta de histórias de bruxas e o “manézinho da ilha”, tem sempre um bom caso desses pra contar.
A noiva do diabo é bastante conhecida no Rio Grande do Sul. Quando vim morar no Estado, ouvi várias versões desta história e fiquei com vontade de contá-la. Por isso acabei escrevendo uma versão minha. Além dos relatos orais que ouvi, outra importante fonte para a história foi também o livro de Antônio Augusto Fagundes, “Mitos e lendas do Rio Grande do Sul. Aliás, dizem que a história aconteceu de fato, por volta de 1930, numa cidade gaúcha chamada Encantado – nome pra lá de sugestivo!
O estranho cavaleiro é a história de tesouros enterrados, que ninguém sabe exatamente onde, mas todo mundo quer achar. Os piratas eram mestres nisso! Os bandeirantes também! São muitas histórias deste tipo, em tudo quanto é lugar. Ela está presente em muitas coletâneas de histórias populares, tanto européias quanto brasileiras, principalmente contos populares de São Paulo. Na versão que conto aqui, a ganância dos sujeitos que têm a sua coragem posta à prova me provoca um certo riso de medo e uns bons arrepios!
A procissão noturna também é muita conhecida, principalmente quando se fala de histórias de almas penadas. Sempre vi esta história em coletâneas de contos, principalmente, contos mineiros, até que fiz uma viagem de trabalho para a Espanha e fui trabalhar nas Astúrias. E qual não foi minha surpresa ao encontrar naquela região espanhola uma variante da mesma história que eu conhecia... Juntei tudo, então: a memória, as outras versões e escrevi a minha...
Espero que o leitor sinta muito medo. Que tenha vontade de largar o livro, mas que curioso, continue lendo até o fim... Depois, se tiver pesadelos, não vale me culpar! RÁ! (Rá é grito para assustar!!!).
Boas tremedeiras, bons chiliques e trimiliques, se for o caso, mas, especialmente, boas leituras!


Celso Sisto




A indicação completa do livro é esta:




SISTO, Celso. Cruz-credo! Ilustrações do autor. São Paulo, Larousse, 2008. 64p.

Um comentário:

Marli disse...

Parabéns por mais essa produção! Com certeza para a gente se deliciar. Abraço!