Seguidores

sexta-feira, 20 de novembro de 2009

UMA ESCOLA MULTICULTURAL

Cor do texto
Ontem fui à escola MÁRIO QUINTANA, no bairro da Restinga (Porto Alegre) para conversar com os professores sobre os contos populares africanos, que é o tema da minha pesquisa de Doutorado.

E foi lindo o que encontrei por lá. Era dia de festa, porque era a semana da consciência negra! Os professores usavam trajes, detalhes que remetiam para a cultura africana, e ainda trocaram de nome, assumindo um nome africano, escolhido por cada um, para toda a semana.

Eu entrei na "dança" e passei a me chamar ali KAIRU, que é um nome de origem kikuyu, do Quênia, na região da África Oriental, e que quer dizer PRETO. Adoro! A cor, a raça, a sobriedade, a elegância, a região, as histórias populares quenianas!!!!! E eu ainda usei um chapeuzinho, daqueles africanos, que conhecemos bem aqui no Brasil, tipo Olodum.

Essa escola é um show... Parece que ali impera a arte e a convivência pacífica de muitas manifestações culturais. Todas as paredes são grafitadas, pela BINA e pelo JACKSON, artistas especialmente contratados para isso, com figuras e palavras bem coloridas, alegres, trazendo para o ambiente uma identidade bem própria.

Os professores estavam bem à vontade, e com um visível conhecimento da cultura africana, e mais: o interesse se estampava nos olhos!

Vi uma bela exposição de fotografias, feitas pela professora SILVANA BRASEIRO CONTI, na biblioteca da escola, de mulheres negras, com títulos e nomes sugestivos de mulheres famosas(mas as fotos eram de mulheres da escola, com títulos do tipo CHICA DA SILVA, DANDARA, CONSTÂNCIA DE ANGOLA, LELIA GONZALES, etc.), que provocavam um impacto e obrigavam o espectador a pensar nas histórias daquelas mulheres e na categoria de heroínas! Achei fantástico!

Outra coisa que me chamou a atenção foi o grande interesse pela música. Levei um CD com o som de um instrumento africano, a MBIRA, que despertou muito interesse!

Ah, tinha uma mesa de doces, com cocadas, balas de côco, quindim, bala de mel, muitos quitutes herdados das negras africanas... e que são comida dos orixás.

E ali se respirava África, de um modo muito natural.

Fui contar histórias, falar sobre os contadores africanos, os griôs; sobre os contos populares africanos e suas características de contos orais, mostrar histórias de família e de infância, recolhidas de fonte primária pela escritora AGNES AGBOTON... E voltei de lá mais africanizado, com um desejo ainda maior deCor do texto espalhar os contos africanos por esse país continental, para que o Brasil se reconheça, cada vez mais, na essência de suas verdadeiras cores! Somos todos negros! Não se pode negar! E Cor do textoque lindo!

Parabéns à Escola Mário Quintana que valoriza essa herança e espalha a igualdade... Parabéns às professoras da Biblioteca, em especial à querida GISELLE SEGÓBIA... que faz um maravilhoso trabalho, como o boneco africano que ela criou para a Biblioteca (e tudo o mais que ela faz ali naquele espaço!).
Não vi, mas fiquei sabendo que os alunos encenaram (com a direção das professoras GABRIELA GRECO, ANDREA AYRES e ISABELLA), maravilhosamente, a história do IFÁ, O ADIVINHO, baseado no livro do sociólogo Reginaldo Prandi. O mais legal nisso é perceber como essa mitologia dos orixás tem conquistado seu lugar ao lado de outras mitologias, que são mais populares no Ocidente... Finalmente parece que o povo brasileiro vai deixar de ter medo de encarar, de frente, a sua própria História.

5 comentários:

Denise disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Denise disse...

Oi Celso, tua presença aqui na escola foi incrível, como sempre! Agradecemos pelas tuas maravilhosas contribuições e histórias contadas de uma forma muito criativa e envolvente. Teu trabalho é lindo, adorei saber sobre os griôs! Pena não teres tido a oportunidade de ficar mais tempo de tarde, a chuvarada atrapalhou!Beijos e muito axé!Beijos, Denise Quiroga
21 de Novembro de 2009 02:48

Marcia disse...

Humm, que delícia ouvir histórias tão bem contatas, tão bem interpretadas! Tive que fazer uma papinha com inhâme, digo, Tevi pra minha princesinha Violeta! Ela adorou! Oxalá ela tenha a chance de ouvir aluma história contada por ti! Ah! ainda vou descobrir o significado do nome da princesa.
Muito axé!

Anônimo disse...

Querido amigo
Que prazer compartilhar mais um momento de arte e emoção contigo!
Maravilha : Vimemos tempos fecundos em que as coisas boas se agrupam , cantam , dançam e celebram a cultura.
Nossa escola é show, sim e tu agora fazes parte do nosso coração!
Giselle

Anônimo disse...

Your blog keeps getting better and better! Your older articles are not as good as newer ones you have a lot more creativity and originality now keep it up!