Seguidores

domingo, 7 de julho de 2013

O TRABALHO COM MÁSCARAS NA MINHA DISCIPLINA






Um dos tópicos do meu programa, na disciplina EDUCAÇÃO, PRODUÇÃO CULTURAL E ARTES CÊNICAS, na Faculdade de Educação, da PUCRS, que costuma assustar os alunos é a performance com máscara. 

O uso da máscara deveria deixá-los tranquilos, mas não é o que em geral, acontece. Estar protegido pela máscara, facilita o trabalho. 

Há toda uma preparação para esse trabalho, que começa com a exploração de atividades de expressão corporal (com tecido e ritmos) e a exploração dos planos (alto, medio e baixo) no espaço.

Depois disso eles precisam planejar a sua apresentação, que deve ser com meia-máscara (que ele pode até comprar pronta, já que não temos tempo para confeccioná-las em aula, mas tem que interferir nela, tridimensionalmente, para adequá-la ao tema do seu texto), o uso de sonoplastia (gravada) e o texto de um poema (que foi escolhido em aula e experimentado em brincadeiras sonoras, também em aula) decorado.

O que causa um certo medo nos alunos é que este trabalho é individual. Mas o "x" da questão é que eles não ensaiam fora da aula e quando chega a hora é muita coisa para administrar: o uso do corpo, a memória (em geral escolhem textos que vão além da capacidade de memorização deles), o uso do espaço, a harmonia com o ritmo proposto pela sonoplastia e o nervosismo habitual...

Mas, este ano, o resultado foi muito bom e foram apresentados alguns lindos trabalhos. Vejamos alguns exemplos: 










Nenhum comentário: